Brasília Cidades Ciência Cotidiano Cultura Economia Educação Energia Entretenimento ESPECIAL PUBLICITÁRIO
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
11/07/2020 | 17:30 - Brasil / Educação

Bom Jesus, Lomba de Pinheiro e centro de Porto Alegre, a periferia cria na marra seu acesso à Educação na pandemia

Divulgação

 
O segundo episódio da série Minha Quebrada mergulha na periferia do Rio Grande do Sul para entender como ações isoladas de pais e professores fazem jovens e crianças seguirem estudado em meio à pandemia.
 
Para crianças e jovens em todo o Brasil a solução, mesmo que não 100%, dos problemas com escola em tempos de pandemia do novo coronavírus foi a educação à distância (EAD). Para muitos outros, no entanto, essa possibilidade sequer foi cogitada.
 
Sem acesso ao EAD devido às limitações das comunidades onde vivem, jovens e crianças periféricos de todo o Brasil se veem diante da falta de auxílio público que garanta sua continuidade no acesso à educação como fazem os alunos da rede particular.
 
O problema persiste desde março e tem afetado alunos das comunidades Bom Jesus, Lomba de Pinheiro e do centro de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. O segundo episódio da série Minha Quebrada mergulha nessa periferia para entender como ações isoladas de pais e professores fazem jovens e crianças seguirem estudado em meio à pandemia.
 
“Obrigada por toda a preocupação com nosso futuro, viu?”. É assim que a educadora Jardelia de Sá é agradecida por uma das aulas que ela decidiu auxiliar durante a quarentena. Ela diz que ao se deparar com esses alunos, realizou que as atividades distribuídas eram ainda piores dos que as já defasadas atividades que os jovens recebiam nas aulas presenciais.
 
O movimento interno de ajuda é o que tem salvado as comunidades não apenas quando o papo é educação. No episódio do Rio de Janeiro vimos como a galera da quebrada tem se unido para comunicar e espalhar palavras de prevenção que salvam vidas e faltam das autoridades. O produtor Luís Ferreirah nos leva por dentro da quebrada gaúcha para sabermos como essas crianças ainda têm acesso ao saber.
 
Nossa série ainda viajará para São Paulo, Brasília e Salvador para mostrar como as quebradas pelo Brasil estão se virando na pandemia.
 
 

Fonte: br. Notícias. Yahoo 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2020 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença