Amazônia Assembleia Legislativa do Amazonas Brasília Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Cotidiano Economia Educação Energia
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
27/07/2019 | 16:00 - Brasil / Eventos

Cliente receberá R$ 3 mil de indenização depois de não gostar de cobertura fotográfica

Divulgação

A cliente afirmou que diversos convidados acabaram não sendo fotografados e as fotos não teriam ficado com a qualidade boa

 

O Fotógrafo informou que o contrato estabelecido seria por hora e que poderia ficar no local até às 20h30, fato que não havia sido previamente combinado com ela. Em consequência disso, a contratante afirmou que diversos convidados acabaram não sendo fotografados e as fotos não teriam ficado com a qualidade boa.

Em sua defesa, o fotógrafo afirmou que os horários para o dia do evento foram previamente combinados com a cliente e que, no dia da festa, ele compareceu no local pontualmente às 18h. “No dia, ele chegou no horário combinado […] para fotografar a decoração entre outros, contudo, a autora somente chegou ao evento às 19h40, o que fugiu ao combinado […] ficou no aniversário até as 21h30, tendo fotografado os momentos mais importantes e tirado o máximo de fotos”, narrou a defesa do réu.

Um fotógrafo de Linhares foi condenado a indenizar em R$ 3 mil uma cliente insatisfeita com o seu serviço. Ela alegou que o fotógrafo teria ficado por poucas horas no local, o que impossibilitou que diversos convidados fossem fotografados, e que as imagens teriam ficado com a qualidade ruim. A decisão é do 2º Juizado Especial Cível do município.

De acordo com informações do site do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES), a cliente contratou o fotógrafo para realizar a cobertura fotográfica do aniversário de um ano da sua filha. Entretanto, no dia do evento o profissional  O magistrado julgou procedente o pedido de indenização por danos morais, os quais ele entendeu que ultrapassam o mero aborrecimento. “Na atualidade, é sabido que ofertar uma festa tem sido cada vez mais difícil, diante dos custos elevados […] pelo que, a frustração no registro de tal momento, como ocorreu com a requerente, é fato que ultrapassa o mero aborrecimento cotidiano”, destacou.

Desta forma, o juiz sentenciou o réu a restituir a quantia de R$ 300,00, referentes ao pagamento do serviço, bem como condenou o fotógrafo a pagar R$ 3 mil em indenização por danos morais.

FV

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença