Assembleia Legislativa do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Economia Educação Energia Esporte Eventos Meio Ambiente
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
04/10/2018 | 12:03 - Brasil / Esporte

BRA. Atletas da delegação brasileira para os Jogos Olímpicos da Juventude recebem orientações sobre exames de dopagem

Rafael Brais/ME

De acordo com a coordenadora de Operações da ABCD, Maria Fernanda Carraca Frias, as informações são relevantes para os atletas, já que vão vivenciar constantemente os exames de dopagem em competições nacionais e internacionais. "Essa turma que esteve aqui teve a oportunidade especial de vivenciar uma estação fictícia, mas com todos os itens e componentes que existem de fato no controle de dopagem. Eles chegarão preparados e sem o receio de não conhecerem o procedimento", afirmou.

 

Educar os atletas brasileiros que estarão Jogos Olímpicos da Juventude de Buenos Aires 2018 sobre os procedimentos de um exame de dopagem. Esse foi o principal objetivo da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) que, em parceria com Comitê Olímpico do Brasil (COB), montou uma estação de controle de doping no Parque Aquático Maria Lenk, no Rio de Janeiro, para uma ação educativa com os atletas que vão competir de 6 a 18 de outubro na capital argentina. A iniciativa detalhou o processo de controle de doping por meio materiais oficiais utilizados nos exames feitos pelas autoridades de coleta. 

Os integrantes da delegação brasileira que vão para as Olimpíadas da Juventude estiveram reunidos no Rio de Janeiro  para uma espécie de aclimatação para os Jogos, que incluem eventos de concentração antes da viagem para a Argentina. Neste período, os atletas treinaram em oito instalações esportivas espalhadas pelo Rio de Janeiro e participarão de palestras e atividades oferecidas pelo COB. O Time Brasil terá 81 atletas, com idade entre 15 e 18 anos, competindo em 25 modalidades.

De acordo com a coordenadora de Operações da ABCD, Maria Fernanda Carraca Frias, as informações são relevantes para os atletas, já que vão vivenciar constantemente os exames de dopagem em competições nacionais e internacionais. "Essa turma que esteve aqui teve a oportunidade especial de vivenciar uma estação fictícia, mas com todos os itens e componentes que existem de fato no controle de dopagem. Eles chegarão preparados e sem o receio de não conhecerem o procedimento", afirmou.

Foto: Rafael Brais/MEFoto: Rafael Brais/ME Durante a apresentação, Maria Fernanda e Lorena Rabelo, servidora da ABCD, explicaram aos atletas e dirigentes presentes ao Maria Lenk todas as etapas de um exame de doping, assim como detalhes sobre deveres e direitos dos esportistas, como o consumos de suplementos sem acompanhamento médico. "Eles terão a tranquilidade de passar pelo exame e vão saber identificar o que foi feito corretamente e o que não estava de acordo com as melhores práticas", disse Maria Fernanda.

A gerente de Cultura e Valores Olímpicos do COB, Carolina Araújo, destacou a importância da parceria com a ABCD, especialmente pelo fato de muitos atletas que vão para os Jogos Olímpicos da Juventude nunca terem passado por exame de dopagem. "Com essa parceria com a ABCD, nós encontramos uma ótima oportunidade de trazer essa informação e deixá-los melhor preparados caso eles passem por essa situação em Buenos Aires", elogiou.

Ela elogiou ainda a didática da simulação, que detalhou o passo a passo do procedimento do exame de doping. "Realmente acreditamos que que ações educacionais como essa contribuem não só para a prevenção, mas também para que ele não cometa possíveis erros por falta de informações e estejam mais preparados caso sejam testados na competição", explicou Carolina.

O fato de já ter passado por três exames antidoping em competições internacionais fez de Igor Queiroz, atleta do wrestling, o voluntário perfeito para simular todas as fase que se passam dentro de uma estação de controle. "Essa iniciativa é totalmente correta porque não são todos os atletas que já passaram pelo exame antidoping. Na minha primeira vez, inclusive, eu me confundi. É meio complicado quando você nunca viu", disse. "Ter esse tipo de simulação é muito importante para o atleta ver como é para chegar lá e fazer tudo certinho", analisou Igor.

ME

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2018 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença