Assembleia Legislativa do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Economia Educação Energia Esporte Eventos Meio Ambiente
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
16/06/2019 | 16:23 - Amazonas / Cidades

Artigo, por José de Arimateia Viana, RIQUEZAS EM FOCO!

Divulgação

Riquezas, diplomas, poder político e status não valerão nada diante da justiça divina que lançará todos os pecados não perdoados em rosto e condenará os pecadores com justa razão. Deus tem o melhor para todos nós, basta obedecer às regras e seguir as diretrizes, fazendo assim, teremos o tão almejado sucesso nos diversos aspectos da vida.

 

A expressão riqueza pode ser vista por vários ângulos, queremos destacar apenas dois pontos, a saber: material e espiritual.

O conceito de riqueza está associado à liquidez, habilidade de conversão do bem em dinheiro e a capacidade de aumentá-lo, ou
seja, fazer o dinheiro trabalhar por você, multiplicando o patrimônio. As pessoas entendem que ter imóveis ou carros é indicativo de
sucesso, alguém rico é alguém que tem muitos imóveis e carros.

É um tipo de pensamento comum aos que valorizam resultados tangíveis, prazeres imediatos e êxitos de curto prazo. A busca desenfreada por riquezas e bens materiais tem se tornado uma obsessão na vida de muitos. Essa busca é tão envolvente, que logo passa a controlar a mente do indivíduo a tal ponto que a glória de Deus deixa de ter a primazia sobre ele. A cobiça é tão exagerada que destoa da essência das pessoas e promove uma mudança significativa no caráter das mesmas.

A Bíblia fala, em Mateus 6.24, a respeito de um deus chamado Mamom. Na maioria dos dicionários, Mamom é um termo derivado
da Bíblia e usado para descrever cobiça à riqueza material. Mamom deriva do vocábulo babilônico mimma, “qualquer coisa”, “riquezas de
origem iníqua”, que significa o ganho desonesto ou simplesmente adquirido por motivos egocêntricos ou ególatras. O fascínio incessante por riquezas possui uma força tão sobrenatural que domina a mente e desejos das pessoas, de modo a conseguir mudar o foco de suas vidas, impondo a prática de um comportamento obsessivo por ganhos fáceis e cada vez mais impetuosos.

Evidentemente, Deus não é contra a prosperidade de ninguém, muito pelo contrário, Ele quer que sejamos prósperos e que vivamos
uma vida de gozo e alegria, pois foi para esse propósito que Deus criou o homem, para ser bem-sucedido e feliz para sempre. O
problema consiste em muitos estarem invertendo a ordem natural das coisas, pois a busca por bens materiais nunca deve ser posta num
patamar de prioridade em nossas vidas, Deus não abre mão de ser primeiro em tudo, mas, infelizmente, o dinheiro, a fama, o glamour e
a ostentação têm tomado conta do coração dos homens e, principalmente, dos líderes que incentivam cada vez mais seus liderados a buscarem bens terrenos, como se isso fosse uma orientação bíblica para a humanidade. Eis aqui o exemplo do pastor da igreja de Laodicéia, que dizia:

“Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta”, mas Jesus o contrariou dizendo: “e não sabes que és um desgraçado, e miserável,
e pobre, e cego, e nu”; Jesus passa então a dar um conselho extremamente valioso que, por sua vez, serve para delinear nossas
ações e pensamentos relacionados ao significado de uma prosperidade autêntica e duradoura, que são exatamente os bens
espirituais, pois Ele mesmo continua as instruções dizendo:

 “Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas” (Ap 3:18). O conselho de Jesus está muito claro, devemos perseverar incondicionalmente na busca de bens espirituais, pois só assim seremos recompensados com as coisas materiais de que necessitamos.

As pessoas costumam valorizar de forma intensa os dons naturais, a beleza exterior, as riquezas, o alto nível social, a cultura, a formação familiar, a fama, o status e o poder político. Elas destacam, ainda, a capacidade intelectual, os dotes físicos, os bens desta terra e outros elementos que têm seus valores arraigados no terreno, contudo, aos olhos de Deus, são limitados, fracos e passageiros e, às vezes, considerados impedimentos à salvação.

Riquezas, diplomas, poder político e status não valerão nada diante da justiça divina que lançará todos os pecados não perdoados
em rosto e condenará os pecadores com justa razão.

Deus tem o melhor para todos nós, basta obedecer às regras e seguir as diretrizes, fazendo assim, teremos o tão almejado sucesso nos diversos aspectos da vida.
 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença