Assembleia Legislativa do Amazonas Câmara Municipal de Manaus Cidades Ciência Economia Educação Energia Esporte Eventos Meio Ambiente
GALERIAS RÁDIO TV
notícias
01/06/2019 | 19:26 - Amazonas / Mundo

AM . Artigo. A Igreja de hoje Versus a Igreja antiga, por José de Arimateia

Divulgação

O mundo grita: “Não sejamos seguidores da Palavra de Deus!” Os pregadores liberais dizem: “Não sejamos pregadores da pura Palavra de Deus”. Muitos afirmam: “Não sejamos praticantes da Palavra de Deus”. Assim, grande parte dos pregadores escolhe versículos fora do contexto para usar como pretexto e violar o texto sagrado. Voltemos, com urgência, ao primeiro amor!

 

Por José de Arimateia Viana, Pastor, Missionário e Teólogo

Para compreendermos melhor o cenário da igreja atual em relação à igreja primitiva, temos que voltar aos seus primórdios na história dessa cultura cristã. No livro de Atos dos Apóstolos, encontramos as narrativas de como foi o início da igreja de Jesus Cristo. A síntese do livro se baseia no derramamento do Espírito Santo sobre os discípulos, ferramenta fundamental de Deus para conquista de almas e transformação de vidas, bem como para a formação de um comportamento-padrão permanente na igreja.

A Igreja Cristã iniciou suas atividades no dia de pentecostes, momento em que o Espírito Santo encheu todos os que estavam no cenáculo (At 2:4), naquele dia, os discípulos receberam uma unção especial da parte de Deus para evangelizar o mundo, com força, sabedoria e vigor.
O derramamento do Espírito Santo sobre os apóstolos chancelou o propósito de Deus para a evangelização do mundo e, consequentemente, proporcionou grandes conquistas para o Seu Reino ao ponto de os discípulos percorrerem quase todo o mundo habitado na época, com estimativa de uma população em torno de 250 milhões de habitantes, é fato que os discípulos foram impulsionados pelo Espírito de Deus na evangelização dos povos, pois os mesmos enfrentaram grandes desafios em defesa da fé e da propagação do evangelho.

Mas a situação das igrejas de hoje é bastante preocupante, Richardson Halverson disse: “No início, a igreja era um grupo de homens e mulheres centrados no Cristo Vivo. Então a igreja chegou à Grécia e tornou-se uma filosofia. Depois chegou até Roma e tornou-se uma instituição. Em seguida à Europa e tornou-se uma cultura. Finalmente, chegou à América e tornou-se um negócio”.

É claro que não podemos generalizar, e concordar com a citação, pois ainda existe um remanescente fiel, mas o cenário da igreja é extremamente preocupante, pois os métodos e ações de muitos líderes têm como foco deturpar o propósito do evangelho, bem como sua pureza, pois o que Cristo nos ensinou foi o amor, o perdão, a obediência e, acima de tudo, a adoração a ele, mas o que estamos vendo, é uma ação deliberada de adoração ao dinheiro e aos homens.

O psicanalista Jurandir Freire Costa diz que vivemos tempos de “credulidade infantilizada e descrença generalizada”. A infantilização da fé
inserida na economia da salvação individual e na tal teologia da prosperidade tem sido usada sem escrúpulo, para se obter, ilicitamente, dividendos políticos e financeiros.

“Jesus é o caminho e eu sou o pedágio”, parece dizer certos líderes religiosos, ávidos por recompensa material em troca de serviços, refrigério espiritual e supostas curas físicas. Os deserdados que buscam amparo são um filão de votos, uma relíquia. No mundo do mercado total, os vendilhões do templo prosperam.

A “teologia da prosperidade” está trazendo o celeste porvir para o terrestre presente. Para comermos a melhor comida, para vestirmos as melhores roupas, dirigirmos os melhores carros, para termos o melhor de todas as coisas e adquirirmos muitas riquezas, para não adoecermos nunca e sofrermos qualquer acidente, para morrermos depois dos 80 anos e experimentarmos uma morte suave. Basta crermos no coração e decretarmos em voz alta a posse de tudo isso, basta usar o nome de Jesus com a mesma liberdade com que usamos nosso cartão de crédito.

Não é isso que acontece nas mentes dos pregadores que negam a realidade e a eternidade do lago de fogo? Não é isso que acontece no evangelho moderno que ensina ao mundo abraçar a igreja e à igreja abraçar o mundo? Não é o “não tem nada a ver” que acontece quando a juventude desobedece aos mandamentos de Deus que estabelece ser ilícito o envolvimento sexual fora do casamento?

O mundo grita: “Não sejamos seguidores da Palavra de Deus!” Os pregadores liberais dizem: “Não sejamos pregadores da pura Palavra de Deus”. Muitos afirmam: “Não sejamos praticantes da Palavra de Deus”. Assim, grande parte dos pregadores escolhe versículos fora do contexto para usar como pretexto e violar o texto sagrado. Voltemos, com urgência, ao primeiro amor! 

deixe seu comentário

Nome:

E-mail:

* Seu e-mail não será publicado

Mensagem:
Acompanhe nas redes sociais

© 2006 - 2019 Roteiro Amazônico. Todos os direitos reservados.

sob liçença